GEOGRAFIA - cruza comunidade


GEOGRAFIA - cruza bairro


GEOGRAFIA - funcionarios da escola


GEOGRAFIA - meios de comunicação



PROJETOS E PLANOS DE AULA - A fruta misteriosa - 1


Introduzindo a história

 

A ÁRVORE MISTERIOSA

 

No tempo em que os bichos falavam

No meio do mato nasceu

Uma árvore misteriosa

Cheia de frutas saborosas.

 

Quando os bichos tentaram pegá-las

Foi uma tristeza tamanha

Pois as frutas não caíam

Nem com força nem com manha.

 

Foi assim que a bicharada

Não teve mais sossego nem paz

Pois naquela estranha fruta

Não paravam de pensar.

 

E agora eu pergunto:

Será que alguém vai conseguir

Tal fruta experimentar?

Preparem-se para ouvir

Pois é esta a história que vou contar.

 

Minha bisavó contava que, no tempo de sua tataravô, havia, numa floresta muito longe daqui, uma floresta misteriosa que parecia ser suculenta e saborosa. Só parecia, pois ninguém conseguia apanhá-la.

         A bicharada vivia com água na boca, mas a única forma de saborear tal fruta era recitando as palavras mágicas de um versinho muito esquisito.

         O único bicho que sabia recitá-lo era dona Coruja. Mas ela morava muito, mas muito longe: do outro lado do rio, quase no fim do mundo.

         Vários animais já haviam viajado até lá. Dona Coruja ensinava os versinhos com boa vontade, mas as palavras eram tão estranhas que na volta eles acabavam se atrapalhando e esquecendo tudo. Por mais que tentassem, não conseguiam se lembrar de nada.

         Certo dia, uma velha tartaruga sentiu uma vontade tão grande de saborear tal fruta que pensou:

         “ Desde que eu era jovem, sempre sonhei em comer essa fruta misteriosa. Agora, mesmo que eu demore anos, vou à casa de dona Coruja aprender essa versinho mágico.

         Pegou a sua malinha, seu xale e a sua violinha e partiu.

         Um ano depois, ela chegou à casa de dona Coruja. Nem descansou e foi logo perguntando:

         - Olá dona Coruja, como vai? Por favor, me ensine o versinho da fruta misteriosa!

         - Claro, dona Tartaruga. Preste bastante atenção, pois só falo uma vez! Se quiser comer a fruta, deverá dizer:

         Mussá,

         Mussém,

         Mussenguengá

         Solte a fruta

         Agora já!

         Plic...ploc...plim.

         Quero uma para mim!

         A velha tartaruga prestou bastante atenção. Agradeceu a dona Coruja, pegou sua violinha e começou a cantar o versinho. Um ano depois, ela estava de volta.

         O papagaio foi o primeiro a ver dona Tartaruga chegar. Ele voou e contou à bicharada a grande novidade. Foi uma confusão geral. Todos começaram a falar ao mesmo tempo.

         - A velha tartaruga voltou? Será que ela aprendeu o versinho? – coaxou o sapo bem alto.

         - Ah, ela já está muito velha! Claro que não vai se lembrar de nada! – criticou a onça-pintada.

         - Se eu que sou jovem e esperto não consegui, imagine se ela conseguiria? – disse o macaco, invejoso.

         Enquanto caminhava até a árvore de tal fruta, a velha tartaruga ouvia os risos e os cochichos dos bichos. Mas ela nem se importava.

         Ela parou debaixo da árvore e recitou baixinho:

Mussá,

Mussém,

Mussenguengá,

Solte a fruta

Agora, já!

Plic...ploc...plim.

Quero uma para mim!

         Na mesma hora, a árvore deu uma sacudida e uma fruta caiu, para espanto de toda a bicharada.

         Dona Tartaruga apanhou a fruta e logo a comeu. Depois ela disse:

         - Hum! Que delícia! Nunca provei nada igual. Fruta tão saborosa não existe em nenhum quintal!

         A bicharada ficou com água na boca, mas, depois das coisas horríveis que eles haviam dito de dona Tartaruga, ninguém teve coragem de lhe pedir um pedacinho.

         Mas a velha tartaruga era muito generosa!

         Convidou a todos para se reunirem em volta da árvore e perguntou:

         - Vocês querem comer a fruta misteriosa?

         Todos responderam juntos:

         - Sim, sim, sim!

         - Então,repitam comigo- disse a tartaruga – Um...dois...três e já:

         Mussá,

         Mussém

Mussenguengá,

Solte a fruta

Agora, já!

Plic...ploc...plim.

Quero uma para mim!

E foi assim que aprenderam as palavras mágicas do versinho.

Cada fruta que caía era uma festa! Foi mesmo um dia de grande alegria na floresta.

Até eu que não estava lá fiquei com vontade de provar um pedacinho.  E esta história não termina assim, pois, para descobrir o nome verdadeiro da fruta, vocês terão que esta adivinha certar!

“ O que é, o que é?

Muitas moças num castelo, vestidinhas de amarelo?” (laranjas)
 
 
CONVERSANDO SOBRE A HISTÓRIA
 
. Vocês gostaram da história?
. Quem é o personagem principal da história?
. Qual era o único animal que sabia o versinho?
. Por que os outros animais debocharam da tartaruga?
.Qual foi o animal que conseguiu falar o versinho e comer a fruta misteriosa?
. Por que a árvore era mágica?
. Qual é o verdadeiro nome daquela fruta misteriosa?
. Quem gosta dessa fruta?
 
  



**encontre no CD o projeto completo
>>  pasta 1ª série volume 2
atividades 726 a 738