Descobrimento do Brasil para crianças

Brasil, 1500

Quando os portugueses chegaram aqui, em 1500, os índios viviam nas matas.

E como eram bonitas as nossas matas!

Não existiam no Brasil cidades como as de hoje em dia, nem ruas, nem casas.

Os índios moravam numa espécie de choupana chamada de oca.

As famílias faziam as suas ocas lado a lado, formando uma aldeia, que cercavam e chamavam de taba.

Naquela época moravam aqui dois curumins (como chamavam os indiozinhos), Ubirajara e Jaci.

Eles viviam brincando, trabalhando e aprendendo com os pais deles.

Naquele dia do mês de abril eles estavam tomando banho de mar com os outros curumins quando viram chegar uma porção de barcos diferentes.

Saíram correndo para avisar a sua tribo e logo a praia ficou cheia de índios.

E todos, ali na praia, viram descer das caravelas, em pequenos barcos, uns homens esquisitos, com o corpo todo coberto e a cara (ai que medo!)

Cheia de pêlos.

Os curumins ficaram escondidos atrás das árvores, espiando.

Os guerreiros da tribo receberam aqueles forasteiros como amigos.

Colocaram os arcos e as flechas no chão e começaram a trocar presentes.

Chapéus enfeitados para cá, cocares de penas coloridas para lá.

Foi no meio dessa confusão que os dois curumins resolveram ir nadando até os barcos, escondidos.

Subiram num barco pelas cordas e logo estavam no tombadilho. Mas tomaram um grande susto. No barco havia muitos bichos. Eles nunca tinham visto uma galinha e saíram gritando assustados na língua deles:

Socorro! Socorro!...

Chegaram correndo na proa do barco.

E lá estava sentado, dando risada, um homem enfeitado, com chapéu e tudo.

Era Pedro Álvares Cabral.

Ele colocou os curumins no colo e fez muita festa. Mas os dois logo, logo pularam pela amurada e foram nadando depressa para a praia.

Esta história os curumins, quando cresceram, contaram para os seus filhos, que contaram para os filhos deles e assim por diante e, hoje, eu estou contando para vocês.

Faz tanto tempo, mas eu me lembro.


Foi no ano da graça de 1500.

O Brasil não tinha nem nome, não era conhecido do outro lado do mar.

Mas, na Europa (bem longe daqui), moravam sábios, homens famosos, grandes reis com seus vassalos (empregados).

Vivian em cidades bonitas ou vilas.

Moravam em casas, palácios e castelos.

Vestiam roupas diferentes, roupas de antigamente.

O pessoal da Europa adorava viajar. Não iam até a lua, como agora, mas queriam descobrir todas as terras do planeta Terra.

Um dia, dom Manuel, o rei de Portugal, preparou uma grande esquadra. (Muitos barcos e navios). Treze barcos, entre navios redondos e lindas caravelas.

O chefe da expedição era o comandante Pedro Álvares Cabral.

A partida foi muito festejada. A viagem era muito perigosa, mas os navegantes tinham a alma corajosa.

E assim partiram as naus (navios e caravelas) da Torre de Belém, em Portugal. Deixaram o rio Tejo e navegaram no mar. Viajaram muitos dias e muitas noites.

Os primeiros sinais de terra, galhos de planta, apareceram boiando no mar quarenta e três dias depois. Era o dia 21 de abril de 1500.

No outro dia avistaram um morro, que foi batizado de Monte pascoal, e as costas da terra descoberta, que foi chamada de Ilha de Vera Cruz. No dia seguinte, 23 de abril, o comandante mandou uma expedição a terra em pequenos barcos. Os índios aguardavam os portugueses pacificamente, na praia, com seus enfeites, arcos e flechas.

E assim começa a história do Brasil com os nossos antepassados portugueses trocando presentes com os nossos antepassados índios. E dizem que o primeiro encontro do nosso povo foi muito bonito, mas a partir desta data os portugueses que chegaram ao nosso país só trouxeram tristeza e destruição para aquele povo.

Muitos anos depois um homem chamado Tiradentes que também não aceitava que os portugueses mandassem no nosso país, acabou morrendo tentando salvá-lo.



Nenhum comentário:

Postar um comentário